A nossa equipa

Se tiver interesse em colaborar connosco, contacte-nos.

Somos uma equipa multidisciplinar de arqueólogos subaquáticos, historiadores, engenheiros, biólogos, estudantes e voluntários, com vasta experiência na detecção, escavação e divulgação de naufrágios históricos.


Alexandre Monteiro

Arqueólogo Subaquático

Alexandre Monteiro é membro da Academia de Marinha e do ICOMOS, sendo ainda investigador do Instituto de Arqueologia e Paleociências (NOVA) bem como do Center for Maritime Archaeology and Conservation da Texas A&M University e da University of Western Australia.
Actualmente, desenvolve projectos em Lagos, Esposende, Alcácer do Sal e Grândola.
Internacionalmente, tem projectos a decorrer no Sultanato de Omã; em Moçambique, com a Universidade Eduardo Mondlane; e na Austrália, sobre a perda galera portuguesa "Correio da Ásia" em Ningaloo Reef.

Ana Patrícia Magalhães 

Arqueóloga

É licenciada em Arqueologia e História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (2001-2006). Durante 13 anos esteve inteiramente dedicada ao Projeto de Valorização das Ruínas Romanas de Troia, em todas as suas vertentes de investigação, conservação e valorização.
Presentemente, desenvolve o projeto de investigação - «O Complexo Portuário Romano do Baixo Vale do Sado. A Valorização de um Património Cultural Partilhado» - que obteve financiamento de uma bolsa da FCT (SFRH/BD/14522/2019), tendo em vista a obtenção do grau de doutoramento na Faculdade Letras da Universidade do Porto. É no âmbito desta investigação que colabora com o projeto "Um Mergulho na História", apoiando a identificação e interpretação da ocupação do período romano em torno do Baixo Vale do Sado e beneficiando de uma equipa alargada e altamente especializada para os levantamentos fotogramétricos dos sítios arqueológicos em estudo.

Ana Esmeraldo

Arqueóloga

Ana Esmeraldo licenciou-se em Arqueologia na Universidade NOVA de Lisboa. Pretende prosseguir os estudos na área da arqueologia subaquática, especializando-se em redes comerciais atlânticas, com especial foco no tráfico de escravos e no estudo de navios negreiros.

Encontra-se a realizar estudos que envolvem paleografia e análise de grandes quantidades de dados, nomeadamente em temáticas relativas a navios portugueses no final do século XVIII.


Filipe Castro

Arqueólogo Subaquático

Filipe Castro é licenciado em engenharia civil pelo Instituto Superior Téccnico (1984), fez MBA pela Universidade Católica Portuguesa (1993) e é doutorado em antropologia pela Texas A&M University, Texas, EUA, onde é professor catedrático de arqueologia náutica. Tem desenvolvido o seu trabalho em Portugal, Itália, Croácia, Brasil, Panamá e Puerto Rico.

As suas publicações podem ser consultadas em: https://tamu.academia.edu/FilipeCastro.

Flávio Biscaia

Investigador em Arqueologia Náutica

Flávio Biscaia é Piloto Comercial de Aviões, Patrão de Costa e pós-graduado em Arqueologia Subaquática.

Para além de investigar em arquivo, participa na caracterização do navio quinhentista de Belinho I e na análise dos naufrágios Tejo A e Tejo B.

É membro do Centro de Arqueologia Náutica do Alentejo Litoral e investigador do Laboratório de Arqueologia e Conservação do Património Subaquático do Instituto Politécnico de Tomar (LACPS - IPT).

Gonçalo Calado

Biólogo Marinho

É professor catedrático na Universidade Lusófona, em Lisboa, onde lecciona as disciplinas de Ecologia e Biologia Marinha e é director do Departamento de Ciências da Vida daquela instituição. Colaborou com a Fundação Calouste Gulbenkian na Iniciativa Oceanos que visou promover o conhecimento sobre serviços dos ecossistemas marinhos e capital natural azul. Exerceu também funções de assessor no gabinete do Secretário de Estado do Ambiente dos XVII e XVIII governos constitucionais, com o mar e a biodiversidade como assuntos a seu cargo. Foi membro do comité MAB - Man and Biosphere da UNESCO e é coordenador do programa de monitorização do projecto Ocean Revival, que visou o afundamento deliberado de quatro navios descomissionados da Armada Portuguesa para formar um recife artificial para fins turísticos. É doutorado em biologia pela Universidade de Santiago de Compostela, em Espanha, e instrutor de mergulho recreativo.

João Sousa

Investigador em Robótica

João Tasso de Figueiredo Borges de Sousa é docente no Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e é o responsável do Laboratório de Sistemas e Tecnologias Subaquáticas da mesma Faculdade (LSTS).

É doutorado pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Os seus interesses de investigação incidem sobre o controlo de redes de sistemas, optimização dinâmica, coordenação e controlo de veículos autónomos e redes de sensores. Projectou e desenvolveu veículos para operações em mar, no ar, e em auto-estradas automáticas no âmbito de projectos de investigação desenvolvidos em Portugal, nos Estados Unidos e ainda na Europa. É responsável pelos protocolos de cooperação com a Marinha Portuguesa, com a NASA-Ames, com as universidades da California em Berkeley e do Hawaii e com o Naval Undersea Warfare Center nos Estados Unidos da América e com a Norwegian University of Science and Technology. É o responsável da Universidade do Porto, desde a primeira edição em 2010, pela organização do exercício REP Atlântico em cooperação com a Marinha Portuguesa e com o CMRE-NATO.

Recebeu o Prémio nacional BES-Inovação na Fileira Oceânica, 2006, como responsável do LSTS pelo projecto do Light Autonomous Underwater Vehicle e recebeu o Prémio de Incentivo Pedagógico da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto em 2008.

É autor de cerca de 400 publicações, 50 das quais em revistas internacionais e livros.

João Rainho

Mergulhador profissional offshore e de saturação

João Rainho tirou o curso de Dive Master em 2002, em Málaga. Na Escócia, fez um curso de mergulho de offshore, que complementou depois em Marselha, no Institut National de Plongée Professionnelle.

Actualmente, faz do mergulho offshore e de saturação a sua profissão trabalhando normalmente a mais de cem metros de profundidade em câmaras de saturação um pouco por todo o mundo: China, Espanha, Áustria, Portugal, Coreia do Sul, Angola, Nigéria, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Qatar, Reino Unido e Noruega.

Para além de ser qualificado em Mixed Gas Closed Bell Diver, HSE Parts 1 a 3, NDC Categorias A a C, DCBC Closed Bell Diver, CSWIP 3.2 / 3.1 Inspection Diver, Diver Medic Technician, Life Support Technician, Safety for Operational Supervisors, IRATA Technician level 1, M.I.S.T e OPITO, NOGEPA e OLF Approved Offshore survival, João Rainho é embaixador da marca de relógios de mergulho de alta performance Vostok Europe.


Joaquim Parrinha

Instrutor de Mergulho

Joaquim Parrinha é instrutor de mergulho na Empresa Ecoalga - Agricultura Subaquática, docente na escola profissional de desenvolvimento rural de Grândola e Mestrando em Ambiente e Cidadania.

Licenciado em Agronomia, desde cedo desenvolve a sua actividade marítima na costa alentejana. É Patrão de Costa e Instrutor de mergulho CMAS M2; DSC instructor na SSI e em mais duas entidades certificadoras de mergulho recreativo internacionais.

No presente, desenvolve projectos de registo da biodiversidade subaquática na costa alentejana - promovendo a criação de áreas Marinhas Protegidas - e a criação de um produto regional - o "SUBWINE" - um vinho do mar estagiado em meio subaquático na costa Alentejana.

John Sexton

Instrutor de mergulho e fotógrafo subaquático

John Sexton é engenheiro mecânico reformado e instrutor de mergulho. Reside em Portugal há varios anos, país onde combina a paixão pela vela, pelo mergulho, pela fotografia subaquática e pela arqueologia náutica, área onde se iniciou nas escavações fluviais em San Marcos, Texas

Mergulha desde 1970, tendo aproximadamente 12 mil mergulhos, em ambientes tão diversos quanto o mergulho em caverna, em naufrágios, em lagos, oceanos e rios.

É membro do CANAL, sendo um premiado fotógrafo subaquático.

Paulo Costa

Historiador Naval

Tem desenvolvido investigação sobre naufrágios e acidentes marítimos em águas portuguesas durante o período contemporâneo, articulando a historiografia naval com a localização, identificação, inventariação e divulgação de património cultural subaquático.

Está também envolvido na prospecção do rio Sado, no âmbito dos trabalhos do CANAL, o Centro de Arqueologia Náutica do Alentejo Litoral.

Nasceu em Cascais em 1968.

Maria João Santos

Arqueóloga

Licenciada em Arqueologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Maria João Santos foi investigadora no projecto europeu H2020 RIA iMareCulture (2016-2018) e assistente de investigação no Instituto de Arqueologia e Paleociências (NOVA/FCSH).
Actualmente desenvolve funções como assistente de gestão de projecto e arqueóloga no Projecto OPP nº466 "Um Mergulho na História".

Miguel Martins

Arqueólogo Subaquático

Miguel Martins tem desenvolvido trabalho em arqueologia náutica e subaquática na Direção-Geral do Património Cultural, na Universidade Autónoma de Lisboa e no Instituto de Arqueologia e Paleociências (NOVA/FCSH). Foi bolseiro de doutoramento no projecto europeu ForSEAdiscovery, na área da dendro arqueologia.

Entre 2011 e 2014 foi responsável pela investigação dos vestígios de uma escuna do século XIX e, em 2015, coordenou o registo digital tridimensional dos destroços do navio Belinho 1, afundado ao largo de Esposende (Portugal). 

Sónia Bombico

Arqueóloga subaquática

Sónia Bombico é licenciada em História, variante de Arqueologia pela Universidade de Coimbra e Mestre em Gestão e Valorização do Património Histórico e Cultural pela Universidade de Évora. Especializou-se em Arqueologia Náutica Mediterrânea na Universidade de Barcelona e desenvolve investigação no âmbito da salvaguarda e da valorização do património cultural subaquático.

É doutorada em História pela Universidade de Évora e investigadora do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS - Universidade de Évora).

Dedica-se ao estudo da economia marítima romana e à investigação sobre a produção e transporte de produtos alimentares, através da análise de sítios de naufrágio e das rotas navegação em época romana.

Susana Medina

Museóloga

Susana Medina é responsável pelo Museu da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e docente do Mestrado em Museologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP).
É licenciada em História (variante Arte), mestre em Museologia pela FLUP e pós-graduada em European Cultural Planning pela Universidade De Montfort (Leicester, Reino Unido).
Integrou equipas de projeto de âmbito nacional e internacional, como o da criação do Serviço Educativo da Fundação de Serralves; Porto 2001 - Capital Europeia da Cultura; Museu Digital da U. Porto; e MU.SA - Museum Sector Alliance, integrada na equipa da U. Porto. É membro do Grupo de Trabalho de Sistemas de Informação em Museus da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Profissionais da Informação e da Rede Portuguesa de Ciência Cidadã (Grupo de Trabalho de Comunicação).

A sua atividade profissional, académica e interesses de investigação incidem sobre património científico e coleções universitárias; comunicação de ciência e sociedade; e gestão da informação e sistemas de informação em museus.

Tânia Manuel Casimiro

Arqueóloga

Tânia Casimiro é arqueóloga com doutoramento em História pela Universidade Nova de Lisboa. É também investigadora no Instituto de História Contemporânea e no Instituto de Arqueologia e Paleociências ambos na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da NOVA.
A sua grande especialização é a cultura material dos últimos 800 anos e, sobretudo, no que ela nos pode contar sobre as pessoas, o seu passado, e passado dos seus quotidianos.

Desenvolve projectos não só em diversos países europeus - Inglaterra, Espanha, Irlanda, Suécia e Holanda - mas também em Cabo Verde, Canadá e Omã, entre outros.